sábado, 21 de março de 2009

As Crianças são o Melhor do Mundo


Realmente, supomos que isto se passa com todos nós, acreditamos e defendemos que as crianças são o melhor do mundo. Então temos que ter sempre em atenção, entre outras coisas, o que a seguir se expoe .





Portugal é o segundo país da Europa com mais crianças gordas e a sofrer de obesidade. Itália está à frente do nosso país, seguindo-lhe Espanha e Grécia .



Relatórios da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam que o sobrepeso e a obesidade infantis aumentaram dramaticamente nas duas últimas décadas.
Portugal é o segundo país da Europa com mais crianças gordas e a sofrer de obesidade. Num estudo levado a cabo entre Outubro de 2002 e Junho de 2003 por investigadores portugueses, publicado numa edição do "American Journal of Human Biology", só a Itália se coloca à frente de Portugal, seguindo-lhe Espanha e Grécia.


Prevenção


Por este motivo a prevenção assume um papel preponderante, tornando-se urgente na população portuguesa ter mais atenção à promoção da nutrição saudável e actividade física durante a infância e adolescência, salientam os autores, que sugerem a acção de um programa nacional para controlar a obesidade infantil.
Os autores deste estudo constituem um grupo multidisciplinar. Cristina Padez, a coordenadora, é do Departamento de Antropologia da Universidade de Coimbra; Pedra Moreira, da Faculdade de Ciências da Nutrição do Porto; Isabel Mourão, do Departamento de Desporto da Universidade de Trás-as-Montes e Alto Douro; Teresa Fernandes, do Departamento de Biologia da Universidade de Évora; e Vítor Rosado, do Instituto de Investigação Científica Tropical.
Em diversas facetas de um conjunto de vários estudos se vê que desde 1970 os meninos portugueses têm vindo a ganhar massa corporal porque a população foi tendo acesso a alimentos de maior valor nutricional, como leite, carne e ovos, mas também mais gorduras e açúcares.
Todavia, apenas em 1992 as mudanças no peso começaram a ser diferentes das mudanças na altura. Na amostra representativa de 4.511 crianças entre os sete e os nove anos, os cientistas encontraram 31,5 por cento de crianças com excesso de peso. Desses, 11 ,5 por cento eram obesos.


Rapazes são mais gordos


Um estudo da OMS registou um aumento médio de peso de 92 por cento nos rapazes e de 52 por cento nas raparigas entre 1981 e 1996, período em que a prevalência da obesidade duplicou em ambos os sexos.
Não se trata, porém, apenas do excesso de comida com altos valores nutritivos que engorda as crianças portuguesas. Acreditam que as crianças acompanhem a tendência para serem pouco activas e que isso seja uma das causas do excesso de peso, que aumenta o risco de diabetes do tipo 2, hipertensão e outras doenças associadas à obesidade e à falta de actividade física.


Baixa de auto-estima


De acrescentar que a obesidade infantil deixa marcas indeléveis: o sintoma inicial e mais marcante é sem dúvida a tristeza. O desgosto pela sua imagem, a baixa auto-estima ... e a depressão.
Em. finais do de 2004 ocorreu no Porto o I Simpósio Português sobre Obesidade Pediátrica - Prevenção e intervenção multidisciplinar. No evento estiveram especialistas portugueses e estrangeiros de renome. O objectivo da acção foi, explicitamente, alertar a sociedade para o perigo, cada vez mais presente, da obesidade nas crianças no nosso país.
Tratou-se da primeira realização do Grupo de Estudo da Obesidade Pediátrica (GEOP) da Sociedade Portuguesa para o estudo da obesidade. Este grupo nacional constituído por pediatras, profissionais do exercício físico, nutricionistas e psicólogo pretende começar a fazer as pessoas pensar que a obesidade é uma doença, e mais, discreta porque não dói.

Sem comentários:

Enviar um comentário